20 de novembro de 2012 •

Vi por Aí ~ #SemanaModo - A Profecia de Hedhen

Oie gente!!!

Esse é o último, porém não menos importante, post da nossa #SemanaModo.
E vamos conhecer o livro da queridíssima Cristina Aguiar, A Profecia de Hedhen

Título: Os Tronos da Luz
Subtítulo- A Profecia de Hedhen 1
Autora: Cristina Aguiar
Editora: Modo
Linha Literária: Romance sobrenatural
Sinopse: Os Tronos eram forças que reinavam nos dias antigos com o título de “Luminares”, e através deles, a luz era derramada por todos os povos, espalhando sua sabedoria, justiça e paz. Mas as trevas, infelizmente, começaram a entrar naquele mundo e corromper os corações. Os Tronos foram enfraquecendo, e para manter a esperança eles criaram a Profecia, antes que sua luz fosse apagada de vez. A Profecia falava do retorno dos Tronos em dias futuros, onde este já seria dominado pelas trevas. Os três sinais dos “Luminares” estariam marcados nos corpos daqueles destinados a receber essa luz ancestral e poderosa. Dos três, um deveria assegurar o cumprimento dessa Profecia, sem se importar com as conseqüências; o outro deveria sacrificar a própria vida em troca da vitória; apenas um permaneceria oculto para sua própria segurança, pois em suas mãos repousaria o Cetro de Luz, símbolo dos antigos Tronos.
Será que essas três pessoas, portadoras dos poderosos sinais, teriam forças para lutar contra o mal e trazer de volta a sabedoria, justiça e paz dos dias antigos?


DADOS SOBRE A OBRA


O livro é ambientado em um fictício mundo matriarcal, onde homens e mulheres vivem de forma igualitária, exercendo as mesmas funções. A discussão religiosa que engloba a rivalidade entre a deusa que exige sacrifícios e o Pai-Criador, é um ponto importante que ajuda a ilustrar o enredo. Sem a intenção de criar um debate teológico, esse fato vem apenas complementar o cenário épico próprio de um mundo fantástico onde se desenvolve uma luta eterna do Bem contra o Mal.
É, por fim, uma história épica, onde a presença da “mulher guerreira” é constante.


OS PERSONAGENS


  • Deborah: é uma mulher alta (1,75m), tem cabelos negros e olhos negros, possui um porte elegante e nobre, um olhar penetrante e um sorriso ao mesmo tempo meigo e confiante. Sua voz é firme, mas com um tom de suavidade. Ela é sábia, equilibrada e justa, mas também tem suas inseguranças e temores quanto ao futuro. Reconhece o valor da amizade e procura o bem no coração das pessoas. É uma guerreira que não consegue se conter diante de injustiças.
  •  Jael: tem altura mediana, cabelos castanho claro e olhos da cor de mel, possui um corpo atlético e ágil devido a sua prática de caça. Tem um espírito inquieto e impulsivo, sua coragem a leva a cometer atos ousados. Um traço muito característico de sua personalidade é a lealdade para com aqueles que ama. Tem uma mente prática e objetiva. O seu senso de humor, muitas vezes, chega a ser quase irônico. Como guerreira, ela é uma mulher de ação que costuma agir antes de pensar.
  • Barak: homem alto, cabelos loiros e olhos azuis. Apesar de jovem, aparenta ser um homem maduro devido as responsabilidades que lhe são impostas. É um homem honrado e justo, mas também inseguro diante de situações inesperadas. Entretanto o seu espírito dócil o ajudará a se auto conhecer melhor. Ele é capaz de renunciar um grande amor para ver a Profecia ser cumprida, mesmo que isso o destrua por dentro. É um guerreiro bravo e audaz no campo de batalha e sua espada faz tremer até os mais fortes.
  • Héber: alto, cabelos negros, olhos cinzentos. Herdou o nome do avô e leva consigo a responsabilidade de não deixar o seu povo de dividir. É um homem que dá valor a alegria que cada momento pode oferecer e consegue manter o bom humor mesmo em tempos nebulosos. É leal com suas amizades e odeia qualquer tipo de injustiça. De espírito humilde, ele não consegue ver a si mesmo numa posição mais elevada, embora todos pensem o contrário. Como guerreiro, é corajoso e imbatível.
  • Hulda: alta, cabelos grisalhos. Uma mulher sábia e temperamental. Muitas vezes deixa o coração falar no lugar da razão. Esse fato a leva a tomar atitudes que não é para tomar, e hesitar nos momentos em que é imperativo agir. Corajosa, ela não teme enfrentar o perigo no meio de uma batalha, e é uma grande conhecedora das artes do inimigo.
  • Noa: estatura média, cabelos castanhos escuros e olhos da mesma cor, é a líder da Ordem de Zelofeade, um grupo de sacerdotisas-guerreiras, também chamado de Ordem Branca. Esse grupo vai se transformar no núcleo de um grande exército e Noa irá assumir a posição de comandante. É uma mulher jovem de temperamento reservado, como alguém que guarda um grande segredo ou um grande potencial. A responsabilidade é uma de suas maiores características.
  • Nathan: a maior característica desse sacerdote-mestre é o seu tamanho. Ele é pouco maior que um anão, mas tem conhecimentos profundos da Profecia que o faz ser respeitado pelos outros sacerdotes. Homem bem-humorado, ele vai ser o grande tutor espiritual de Deborah e Jael, ensinando-as quanto aos próprios poderes como Luminares. Ao lado de Hulda, ele vai estar presente nos momentos mais importantes que acompanha a missão das duas portadoras dos sinais.

TRECHO DO LIVRO

O tempo foi passando e as meninas foram crescendo junto às montanhas, intercaladas por verdes vales e muitas cachoeiras. Hulda sempre as visitava. Do outro lado do rio a terra jazia em um véu de desesperança. As conquistas ordenadas por Atalia eram sempre um verdadeiro massacre. Quase todos os reinos de Hedhen, eram-lhe tributários e Jabim, o rei feiticeiro de Hazorah, criou um exército poderoso e indestrutível que portava armaduras de ferro. Cidades eram saqueadas, os homens eram mortos e mulheres jovens eram levadas para se incorporarem ao exército de guerreiras de Atalia.
Hulda viu as meninas crescerem longe dessa realidade e se sentia aliviada. Atalia continuava sua busca pela sobrinha e, a cada ano que se passava, sentia-se mais ameaçada. Suas conquistas eram apenas um pano de fundo macabro para realizar essas buscas.
Vinte e três anos! Hulda suspirou ao ver as duas moças lutando na campina verde do vale. Já eram duas mulheres feitas. Deborah era mais alta. Tinha uma expressão sempre atenta nos olhos grandes e negros que combinavam com os cabelos, uma pele bronzeada e uma autoridade natural que emanava dela. Jael era um pouco mais baixa, de cabelos castanhos, olhos cor de mel, e uma agilidade muito peculiar. O corpo era bem proporcionado e atlético. Ambas eram conscientes da missão que tinham pela frente e treinavam para estarem prontas, quando o momento chegasse. Hulda sentou-se sobre a relva e ficou observando a luta equilibrada.


As espadas se tocaram no ar com firmeza. Deborah deu um giro e Jael pulou para trás com uma cambalhota, conseguindo amparar um segundo golpe que vinha por cima. Devido à posição, ela caiu e Deborah aproveitou para prender-lhe as pernas com os joelhos enquanto empurrava a espada de Jael para baixo.
— Não pode vencer sua rainha, Jael - Deborah falou. — Aceite isso.
Com um esforço supremo, Jael juntou os joelhos e empurrou Deborah, que caiu de costas e se viu na mesma situação em que havia deixado à irmã de criação.
— Só que você ainda não é a rainha - Jael rebateu.
Deborah a empurrou e ambas se levantaram. Após uma série de golpes, as espadas se chocaram com tal força que acabaram caindo ambas no chão.
— Consideraria isso um empate - disse Hulda ao se levantar.
As moças esqueceram o treinamento e correram para ela. Fazia mais de um ano que Hulda não aparecia. Os abraços foram efusivos.


Elas sentaram-se sobre tapetes no terraço da casa onde as moças viviam. Era uma casa armada na encosta da montanha e de lá se podia descortinar uma bela vista da cachoeira que caia formando um lago límpido e convidativo.
Enquanto comiam, a conversa girou em torno das muitas viagens de Hulda e no que ela tinha visto pelo caminho.
— A situação do outro lado do rio está cada vez pior. Saques, sacrifícios humanos são oferecidos à deusa da terra, meninas são convocadas para o exército de amazonas e sujeitadas a um treinamento cruel e sádico, a fim de que o seu lado selvagem seja trabalhado.
Deborah ouvia o relato com uma grande sombra no olhar. Podia-se ver que ela sofria com a situação.
— Quando chegará o tempo? - ela perguntou. — O reinado de Atalia tem que acabar antes que ela acabe com o mundo que conhecemos.
— Creio que o tempo virá mais rápido do que imaginamos. Você se sente pronta?
— Como saberei se estou pronta? Aqui não há muito que se fazer além de treinar. Se a pergunta é sobre a agilidade com as armas, a resposta é sim, embora eu ache que não é só isso. Estou errada no que digo?
Hulda sorriu.
— Não, você está certa. O problema é que você terá que passar por uma prova muito pessoal, antes de começar a sua missão. E essa prova, Deborah, eu desconheço como será.
— Não é difícil imaginar que está próximo, pelas notícias que trouxe com você - disse Jael que escutava tudo em silêncio.
Deborah ficou séria e se fechou em pensamentos. Jael já estava acostumada a esses momentos e não se surpreendeu quando a irmã levantou-se e foi caminhar pela parede do terraço com os olhos cheios de preocupação, fitando o horizonte.
A moça fez uma pausa antes de fazer uma nova pergunta. 

Nascida em Fortaleza, no Ceará, licenciada em História, a autora, Cristina Aguiar, escreve desde criança. Suas primeiras tentativas consistiam em tentar recriar diálogos de filmes que gostava. Depois, passou a criar histórias próprias tentando dar continuidade a esses filmes. Aos dezessete anos já se aventurava a fazer esboços na procura de uma história ideal. Acumulou vários cadernos com fragmentos de textos que nunca foram para frente. Viajantes foi o primeiro livro que conseguiu terminar, mas acabou encostando-o na gaveta, apesar da opinião favorável daqueles que o leram. Aconteceu o mesmo com A Tenda Peregrina, um romance juvenil sobre um grupo de jovens arqueólogos que parte em busca de um artefato bíblico. Quanto ao livro A Profecia de Hedhen, foi um sonho realizado. Ele é a soma de várias experiências que deram certo e o início de uma saga cujo terceiro volume já está sendo escrito.

Mal sabe a autora que em dezembro baterei na porta dela, em busca de um exemplar autografado! rsrsrs
E vocês, curtiram a dica?
Então aproveita para conhecer mais nos links:
FANPAGE
SKOOB
BLOG

E assim encerramos a nossa #SemanaModo.
Espero que vocês tenham gostando tanto de conhecer esses livros quanto eu gostei.
E só para deixar vocês com água na boca, saibam que dezembro é o aniversário do Blog, e A Profecia de Hedhen é apenas um dos livros que serão sorteados!!
Muita novidade vindo por ai, então fiquem ligados!
Beijos

1 comentários:

diegordss disse...

Muito legal, adoro contos épicos repleto de personagens marcantes e após ler a resenha posso dizer que este livro é a minha cara! Abraço!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...