11 de janeiro de 2013 •

Conhecendo ~ Carol Sabar - Série Autores Nacionais

Oie gente \o/

E ai, estão curtindo bem as férias?
Muita praia, sol, família, comida gosta e livros? Eita coisa boa!
Curtam bastante e leiam bastante \o/

Por aqui o clima é de comemoração, pois o Blog agora tem domínio próprio! *.* Ainda não tinha percebido? Dá uma olhadinha lá na barra de endereços do seu navegador então. Yay \o/
Eu estou super feliz, e agradeço a todos que acompanharam o blog na nossa jornada.



E, pra coisa ficar boa mesmo, hoje eu trouxe mais uma pessoa linda para vocês conhecerem, Carol Sabar \o/



Oi!
Muito prazer, meu nome é Carol. Engenheira por formação, escritora por paixão.
Nasci em 05 de abril de 1984 em Juiz de Fora, Minas Gerais.
É... eu sou mineira. Amo pão de queijo e biscoito de polvilho, e sempre digo "É logo ali, uai", mesmo se faltarem uns bons quilômetros.
Estudei piano e violão no conservatório de música por 10 anos e me formei em Engenharia de Produção pela Universidade Federal de Juiz de Fora. Trabalho como gerente de produção na empresa de minha família, as Meias Polo, desde 2002. Adoro viajar, curtir a vida com minha família, namorado e  amigos, e assistir a seriados como Friends, Seinfeld, Gossip Girl e Os Normais.
Sou viciada em literatura desde a época de criança gordinha, louca pela Xuxa e seus Paquitos. Leio de tudo e tudo mesmo. Mas tenho uma queda maior por literatura jovem-adulto, onde me encontrei como escritora. Para mim, escrever é viver muitas vidas, experiências que jamais sonhei em ter. Quando escrevo, mergulho de corpo e alma na criação das personagens, que acabam ganhando autonomia e soprando palavras em meus ouvidos, dia e noite, sem parar.
Foi voltando do trabalho, parada no trânsito engarrafado, que tive a primeira ideia para meu romance de estreia Como (quase) namorei Robert Pattinson: a imagem do ator de Hollywood passando óleo bronzeador nas pernas de uma fã. Fiquei rindo sozinha até chegar em casa, e, imediatamente, comecei a escrever.

Beijinhos,
Carol Sabar
E gente, ainda bem que ela teve essa ideia. Eu adorei, simplesmente adorei o livro, tanto que nem consegui fazer uma resenha, fui direto para o #ProntoFalei porque eu simplesmente não conseguiria falar do livro sem soltar spoilers.


Mas se você ainda não leu o livro e não quer correr o risco de ler os meus loucos spoilers no post mencionado, confere aqui a sinopse:


Título: Como Quase Namorei Robert Pattinson 
Tema: jovem adulto(young adult)
Assunto: Ficção
Editora: Jangada
Tipo de Capa: Brochura
Número de Páginas: 464

Sinopse"Quando abro os olhos, ali estou eu. Deitada de bruços na areia da praia. 
E Robert Pattinson está passando óleo bronzeador nas minhas pernas"

Aos 19 anos, Duda é literalmente viciada na saga Crepúsculo. Já perdeu a conta de quantas vezes leu os livros da série e assistiu aos filmes. Através de um perfil secreto na internet, ela se comunica com outras fãs do Crepúsculo que, assim como ela, estão totalmente convencidas de que não há garoto no mundo que valha um dente canino do vampiro Edward Cullen.

Sua obsessão ganha fôlego com uma temporada de estudos em Nova York, onde ela faz planos mirabolantes para conhecer pessoalmente Robert Pattinson, o ator que interpreta o vampiro nos cinemas. Mas, após um incidente com seus únicos (e insubstituíveis!) livros da saga, Duda entra em verdadeiro surto de desespero. Percebe, então, que uma mudança radical em seu comportamento “crepuscólico” é mais do que urgente.

O que ela não esperava era conhecer Miguel Defilippo, seu vizinho na ilha de Manhattan e nada mais nada menos do que sósia do ator Robert Pattinson! Apaixonante, lindo, rico, misterioso e ambíguo, Miguel acaba se tornando um desejo mais inacessível para Duda do que o próprio astro de Hollywood.

Uma história cheia de humor, aventuras e reviravoltas, para você chorar de rir!

"Ah, tudo bem. Eu confesso. O negócio é que estou apaixonada por Edward Cullen, o vampiro encantado da saga Crepúsculo, e por Robert Pattinson, o ator que o interpreta nos cinemas. Sei que é uma grande loucura, que o primeiro não existe e o segundo não sabe que eu existo. Mas, depois deles, nenhum homem parece suficientemente perfeito para mim. É isso aí. Pronto, falei"

*.*

E para conhecer um pouco mais sobre a Carol, que tal uma entrevista?

Entrevista

AQC: Quando começou a sua paixão pela escrita?
CS: Eu sempre gostei de ler! Mas a paixão pela escrita começou assim que eu me formei em engenharia (sim, eu sou engenheira!). Eu trabalhava em tempo integral e, para me distrair depois de um dia de trabalho, comecei a escrever pequenas contos, nada muito profissional. Foi de repente que a primeira ideia de “Como (quase) namorei Robert Pattinson” surgiu na minha cabeça e, já nos primeiros parágrafos, eu me descobri apaixonada pelo processo criativo e não pude mais parar. Levei sete meses para cravar o ponto final. 

AQC: Se você não fosse escritora, o que seria?
CS: Se eu não fosse escritora... continuaria sendo engenheira! Aliás, engenheira eu sou, sempre serei. Mas eu já quis ser astronauta, jornalista, professora... Quis até ser princesa, mas infelizmente a Kate Middleton pensou nisso primeiro que eu.   

AQC: De onde vem suas principais inspirações para escrever?
CS: De todos os lugares! Eu sempre fui uma pessoa muito criativa, mas a maior inspiração vem mesmo das horas e horas que passo escrevendo e reescrevendo as mesmas frases, experimentando novas construções, novas formas de dizer a mesma coisa.  Para mim, inspiração é sinônimo de muito trabalho. Pronto,  falei.

AQC: Em seu livro, há personagens inspirados em pessoas que fazem parte da sua vida? Se sim, cite algum.
CS: Sim, claro! Mas infelizmente não vou poder me aprofundar muito nesse assunto, porque, sabe como é, esse personagem não é lá muito querido e eu realmente não quero morrer tão cedo. 

AQC: Como tem sido a recepção do público com seu livro?
CS: Maravilhosa!!! Eu fico muito feliz e surpresa a cada e-mail que recebo. Tanta gente que amou o livro, que se divertiu com as loucuras da Duda... O livro tem até fã-clube, minha gente! Dá para acreditar? 

AQC: Está trabalhando em algum outro projeto atualmente?
CS: Sim! Meu segundo livro já está na editora e o lançamento não deve demorar muito, não!
É outra comédia romântica, super fofa! Conta história da Bia, que é apaixonada pelo Guga, seu amigo de infância. Por causa dessa paixão, Bia nunca teve um namorado. E ela tem 25 anos de idade! Então já viu, né? Ela se acha a garota mais azarada do mundo (sem contar que está desempregada e cheia de dívidas, coitadinha). Só que tem um detalhe: Bia não vê Guga há 10 anos (10 anos! E até hoje é apaixonada por ele!). Guga se mudou para Londres, para estudar música, e por lá ficou, nunca mais telefonou, mandou uma carta ou um sinal de fumaça! Bia e Guga nunca mais se encontraram! Até que um belo dia... tchã,  tchã, tchã... Parei por aqui. 

AQC: Quais são seus autores favoritos?
CS: São tantos! Meus autores favoritos variam de tempos em tempos. Uma história relida pode ganhar um sentido novo, subir ou cair na minha lista de preferências, dependendo da época da minha vida, das experiências que adquiri ou, até mesmo, das experiências que desejo reviver...  (É assim com vocês também?) E é por isso que ando apaixonada pela Paula Pimenta, pela maneira como ela me faz reviver minha época de adolescente... Gosto também da Meg Cabot, da Sophie Kinsella, da Claudia Tajes, J.K. Rowling, Stephenie Meyer...

AQC: O que você diria para o pessoal que está começando agora?
CS: A dica que eu dou é: escreva muito, leia muito. Não existe mágica!
Em minha opinião, escrever é uma questão de amor, sim, mas principalmente de prática. Quanto mais se faz, melhor se faz.  E o mais importante: só apresente seu original para uma editora se você estiver 100% seguro de que deu o melhor de si, de que não vai se arrepender ao ver seu livro (mal acabado) publicado, rodando de mão em mão por aí. A pressa é inimiga da perfeição. A pressa de publicar então...

AQC: Agora um rápido quiz.
Um filme:  “Um Dia”
Um livro: “Um dia”, de David Nicholls. Não canso de me apaixonar por essa história.
Uma série: “Gossip Girl”!!!!! Pena que acabou... 
Uma música: “Love is a verb”, John Mayer
Uma frase: “Se, a princípio, a ideia não é absurda, então não há esperança para ela.”, Albert Einstein.

AQC: Algum recado para o pessoal?
CS: Obrigada pelo carinho, adorei conversar com vocês!
Para quem quiser degustar dois capítulos do livro, aí vai o link: http://issuu.com/grupoeditorialpensamento/docs/name7eb9c4
Twitter: @CarolSabar

Beijinhos crepuscólicos,

Carol Sabar

Eu já estou apaixonada pelo próximo livro dela, tenho certeza que vou adorar.
A escrita da Carol é super leve e divertida, bem, deu pra perceber pela entrevista não é?
Assim que tiver mais novidades sobre o lançamento da Carol, eu corro e conto para vocês.
E hoje ficamos por aqui, espero que tenham gostado de conhecer um pouco mais sobre essa autora maravilhosa.
Beijos gente o/

PS: Não esqueçam de participar das promoções de aniversário, já estão chegando ao fim, então corre!!!

1 comentários:

Juliane disse...

Esse livro está na minha lista de desejos!
Quero muito!

Adorei seu blog, e achei muito legal essa sua iniciativa de valorizar os autores nacionais! Parabéns!
Já estou te seguindo!

Beijos!

naminhaaestante.blogspot.com

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...